10 dicas para potencializar a gestão dos indicadores financeiros da sua empresa

A análise através dos indicadores financeiros é de interesse de todos os stakeholders da empresa:

  • sócios (investidores);
  • gerentes;
  • credores;
  • gestores financeiros;
  • entre outros.

A medição dos níveis atuais e futuros de risco e retorno é fundamental no mercado atual.

Por isso, é importante ter em mente que a correta gestão desses indicadores é indispensável para fazer uma análise estruturada e bem adequada à realidade do negócio.

Pensando nisso, separei algumas dicas importantes para você potencializar a gestão dos seus indicadores financeiros ainda hoje. Confira a seguir:


Principais indicadores de desempenho de uma empresa

De maneira geral, os indicadores financeiros são divididos em quatro grandes grupos, de acordo com a origem das informações e também do objetivo da análise.

Indicadores de Rentabilidade

Os indicadores de rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo capital investido da empresa.

Ao avaliar a rentabilidade os investidores terão condições de decidir se vale a pena manter o empreendimento, se é interessante economicamente aplicar mais capital no negócio ou se a companhia está proporcionando retorno inferior a outras oportunidades de investimento disponíveis.

Alguns indicadores de rentabilidade importantes são citados abaixo:

Retorno Sobre o Ativo (ROA):

O ROA significa a taxa de retorno gerado pelas aplicações realizadas por uma empresa em seus ativos. Indica o retorno gerado por cada R$ 1,00 investido pela empresa.

Logo, é calculado da seguinte forma:

  • ROA = Lucro Operacional / Ativo Total Médio

Retorno Sobre o Investimento (ROI)

O ROI, retorno sobre o investimento, é a relação entre o dinheiro ganho ou perdido através de um investimento, e o montante de dinheiro investido.

A fórmula do ROI é escrita da seguinte forma:

  • ROI = Lucro Líquido / Ativo Total x 100

Retorno sobre o Patrimônio (ROE)

ROE, retorno sobre o patrimônio, é um indicador financeiro que se refere à capacidade de uma empresa em agregar valor a ela mesma utilizando os seus próprios recursos.

Isto é, o quanto ela consegue crescer usando nada além daquilo que ela já tem.

A fórmula do ROE é escrita da seguinte forma:

  • ROE = Lucro Líquido / Patrimônio Liquido x 100

Margem operacional

Estabelece qual a porcentagem de cada real de venda restante após o desconto de todas as despesas operacionais (inclusive a diferença entre as receitas e despesas financeiras), com exceção do Imposto de Renda.

Exemplo:

Se uma empresa obteve um resultado operacional de R$ 10 milhões e vendas de R$ 100 milhões, a margem operacional será de 10%.

O cálculo funcionará da seguinte forma:

  • Margem Operacional = (Lucro Operacional / Receita de Vendas) x 100

EBITDA

Representa a geração operacional de caixa da companhia, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos apenas em suas atividades operacionais, sem levar em consideração os efeitos financeiros, depreciações e amortizações. O cálculo é feito da seguinte forma:

  • EBITDA = Lucro Operacional Líquido + Depreciação + Amortização

Margem líquida

Determina o que restou das vendas após o desconto de todas as despesas, incluindo impostos.

Funciona de forma muito parecida à margem operacional, mas neste caso, o lucro líquido é utilizado, incluindo os impostos.

Quanto maior a margem líquida, sobrará mais após o recebimento das vendas e retirada de descontos. O cálculo funcionará da seguinte forma:

  • Margem Líquida = (Lucro Líquido / Receita de Vendas) x 100

Indicadores de Estrutura de Capital

Esses indicadores analisam qual o endividamento da empresa e capacidade de gerar caixa suficiente para cobrir despesas, garantindo o crescimento e expansão.

Participação de Capital de Terceiros

Indica qual o nível de “dependência” dos negócios em relação a recursos de terceiros, representados pelo passivo circulante (obrigações de curto prazo) e pelo passivo não circulante (obrigações de longo prazo). O cálculo é feito da seguinte forma:

  • (Passivo circulante + Passivo não circulante) / Ativo Total.

Endividamento de Curto Prazo

Indica qual o nível de endividamento de curto prazo em relação ao endividamento total. Caso este indicador apresente valor relevante significa que o endividamento da empresa está concentrado no curto prazo, ou seja, esta poderá apresentar problemas futuros na geração de caixa.

Índice de Cobertura de Juros (ICJ)

Mede a capacidade da empresa de pagar os juros contratuais de sua dívida sem comprometer a geração de caixa.

É importante salientar que algumas vezes a empresa apresenta alto endividamento, porém, o índice de cobertura de juros é muito bom, este fato ocorre normalmente quando existem estratégias na empresa de buscar formas mais baratas de financiamento.

Por exemplo:

A empresa apresenta alto endividamento a longo prazo, porém, o fez com juros atraentes e que não comprometem sua geração de caixa.

O cálculo deste indicador, é feito da seguinte maneira:

  • Cobertura de Juros = (Lucro Antes dos Juros e Imposto de Renda – LAJIR ou EBITDA) / (Despesas Com Juros durante o Ano).

Indicadores de Liquidez

Estes indicadores financeiros apontam qual a capacidade da empresa em cumprir suas obrigações a curto prazo.

Capital de Giro Líquido (CGL)

É normalmente utilizado para medir a liquidez global da empresa. O cálculo é feito da seguinte forma:

  • Capital de Giro Líquido = Ativo Circulante – Passivo Circulante.

Liquidez corrente (ILC)

É um dos índices mais utilizados. Mede a capacidade da empresa em satisfazer suas obrigações de curto prazo.

Caso este índice esteja abaixo de 1,0 significa que seus ativos de curto prazo (caixa, bancos, aplicações, etc.) não são suficientes para cobrir seus passivos de curto prazo (fornecedores, empréstimos, etc.).

O cálculo é feito da seguinte forma:

  • Índice de Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante.

Índice de Liquidez Seco (ILS)

O índice de liquidez seco é semelhante ao índice de liquidez corrente, com a única diferença que exclui os estoques do ativo circulante da empresa, por ser geralmente o ativo de menor liquidez.

Um índice de liquidez seco baixo pode indicar que o volume dos estoques está relativamente elevado, necessitando para isso mais capital de giro.

O cálculo é feito da seguinte forma:

  • Índice de Liquidez Seco = (Ativo Circulante – Estoques) / Passivo Circulante.

Indicadores de atividades

Os indicadores de atividade indicam as rotações sofridas pelo capital e por valores empregados na produção, indicando quantas vezes foram empregados e recuperados.

Giro de Caixa

É o indicador financeiro que mostra quantos ciclos financeiros o caixa de uma empresa tem por ano.

O ciclo financeiro é o tempo decorrido desde o pagamento das compras até o recebimento das vendas, quando menor o ciclo financeiro maior será o giro de caixa.

Com o cálculo do giro de caixa é possível medir a eficiência da empresa e sua saúde financeira.

Como melhorar a gestão dos indicadores financeiros?

  • Avalie periodicamente o planejamento estratégico da empresa;
  • Escolha quais indicadores financeiros serão utilizados;
  • Capacite a equipe responsável pela elaboração e análise dos indicadores;
  • Determine como será o acompanhamento (mensal, bimestral, trimestral);
  • Interprete os resultados obtidos junto a sua equipe;
  • Apresente os resultados, discutindo com a diretoria da empresa quais são as melhores decisões a serem tomadas, sejam elas corretivas ou potencializadoras do negócio;
  • Ligue esses indicadores aos outros setores da empresa, envolvendo as pessoas no alcance dos resultados. A elevação de qualquer índice deve envolver diversos departamentos para fazer sentido e ter sucesso.
  • Crie planos de ação para potencializar os números, seja por meio de atividades de endomarketing, premiações ou incentivos. É possível encorajar toda a empresa a criar ideias de mudanças;
  • Adote uma solução para monitorar dados em tempo real. Você pode ter a equipe mais incrível e capacitada, mas ainda assim é impossível comparar a capacidade de análise de dados de maneira manual com a de um sistema que garante mais desempenho e velocidade dos processos;
  • Lembre-se: é necessário interligar os indicadores financeiros e não financeiros e acompanhar a organização por meio de um trabalho em conjunto com toda a empresa.

Percebeu como ter uma gestão clara dos indicadores financeiros é essencial para potencializar os resultados da empresa?

Que tal continuar otimizando a gestão financeira da sua empresa? Confira este post com as melhores dicas para otimizar seu fluxo de caixa e potencializar seu negócio.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *